0297 - Hey Jude - Kiko Zambianchi [1989]

Muitas versões já foram feitas dos Beatles. Na década de 1960, como já expus num post meu aqui, era comum bandas brasileiras fazerem versões para as músicas do quarteto inglês, o que trazia, além de mais sucesso aos garotos de Liverpool, tornava as primeiras bandas nacionais (do que viria a ser o rock Brasil) conhecidas e famosas.

Hey Jude, muita gente no Brasil acreditava ser uma garota, afinal Judy e Jude é muito parecido para marcar uma diferença grande de sentido da letra: enquanto muita gente acreditou por anos que cantavam para uma garota triste, Paul, na verdade, cantava para animar Julian (filho de Jonh) que teria que conviver com o divórcio do pai.


Nosso blog já tem uma postagem considerada polêmica pela versão feita. Essa também dá muito pano pra manga, afinal, tanto no link acima, como nesta aqui, estamos tratando de clássicos do rock mundial, em uma Bowie e em outra Beatles.

Sobre a primeira, quando foi lançada, praticamente na mesma época da postagem de hoje. Eu não fazia ideia de quem fosse David Bowie e achava que Star Man deveria ser trilha de um seriado de mesmo nome que passava no SBT.

Obrigada, Nenhum de Nós por me apresentar Bowie! Eu cantava, sim, e muito essa versão!

E obrigada, Kiko por fazer eu acreditar na minha mãe: que sempre dizia que a música mais comprida que ela conhecia era Hey Jude dos Beatles! E que eu só conhecia de nome, fui conhecer na versão do Kiko. Não, minha mãe não tinha discos dos Beatles pra me apresentar...

Ah, eu também cantava muito essa música!

E, o que eu quero dizer com tudo isso? Que por mais que se torçam narizes por essas versões, muita gente só descobre os bons músicos quando ouvem covers como as deles. Pode parecer ingênuo, outros podem achar hipócrita o que digo, mas... who cares? Eu não...

Kiko Zambianchi fez parte da geração de 1980 do rock Brasil. Saiu de Ribeirão Preto, sua cidade natal, e logo estava nas paradas com Rolam as Pedras e Primeiros Erros (que tem covers de Simony (!!) e Capital Inicial - nesta última, Kiko faz backing vocal no acústico dos brasilienses).

Outras músicas para peças de teatro - como Blecaute de Marcelo Rubens Paiva que despontava também nesse época -  temas de novelas e seriados da Globo.

Até que lança Hey Jude para a novela Top Model, da Globo (e hoje reprisada no Viva, deles também) e se torna um sucesso nacional.


O sucesso estrondoso não incomoda Kiko que não aceita fazer outras covers e tocar músicas mais comercias e rescindi contrato com a gravadora. Com o período de trevas do rock nacional nos anos de 1990, Kiko continua trabalhando em trilhas para teatro e gravando Caetano e Gil, além de composições próprias.

Acabei de me lembrar que o Ira! passou por esse mesmo período de reclusão nos anos 90... não foram nenhum pouco bom para o rock nacional... como falei na postagem sobre o grupo paulista. Momento engraçado: procurava o video com o Kiko no Youtube e muitos colocam Hey Tchu ou até a música é atribuida ao Roupa Nova... e uma Hey Judge rs aí sim é triste!

Menina Enciclopédia

3 comentários:

  1. Acho o Kiko um bom compositor. Não sei como anda sua produção pelos ultimos anos.

    ResponderExcluir
  2. sim, ele é. talvez algumas pessoas torçam o nariz justamente por essa versão, mas é aquela coisa: vc tem contrato com a gravadora e tem que pôr a música na novela da globo...

    ResponderExcluir
  3. mesmo assim, é uma versão muito válida pra muita gente

    ResponderExcluir

Comente aqui!!!