Cover Playlist - 20 anos de OK Computer

Com 16 anos de idade, um adolescente está formando suas predileções musicais. Nessa idade eu estava ouvindo muito rock alternativo americano dos anos 90 – sobretudo Pixies, Nirvana, Smashing Pumpkins, etc. – e muito britpopOasis, Blur, Supergrass, etc. Este era um cenário perfeito para que eu fosse supreendido. E a surpresa veio por uma banda que era desconhecida por mim, com um som estranho, cheio de efeitos eletrônicos e rocks que soavam claudicantes para um adolescente: OK Computer era o disco e Radiohead a banda. 

Lembro-me do hype (nem sabia o significado do termo) que a mídia especializada fez sobre OK Computer. Todos afirmavam que era o disco do século XX. Chegaram a compara-lo com Dark Side Of The Moon. Enfim, falou-se tanto que eu decidi ir até uma loja de CDs localizado na praça João Pessoa em Suzano, São Paulo; peguei toda a mesada comprei o tal OK Computer. Coloquei para toca-lo no CD player. Executei-o uma vez por completo e achei uma droga...

Não entendia como os experts achavam o disco tão bom. Não gostava da voz estridente do novo salvador do rock, Thom York. Lembro-me que gostei só de Electioneering. Também tive um apreço maior por Lucky e No Surprises, mas foi só. Cheguei a comentar com amigos na época que eu achava o Radiohead uma versão do conto de A Roupa Nova do Rei de Andersen. Fiquei surpreso com o sucesso alcançado. Pensava como tantas pessoas no mundo podiam gostar de uma música tão chata e estranha. Mas nem por isto desisti do disco. Botei para toca-lo inteiro mais algumas vezes, mas mesmo assim não me apetecia, e logo pulava para as faixas que mais gostava... 

Uns dois anos se passaram, já estava na faculdade, sempre viajando no trajeto entre Suzano para São Bernardo do Campo dentro de um ônibus caindo aos pedaços da Samavisa Litoral numa viagem interminável. Naquelas horas dentro do transporte, você não tinha coisa melhor a fazer do que ouvir um CD. Foi justamente nessa época que ouvi muitas músicas no CD player, ouvindo tudo o que eu podia me reencontrei com OK Computer. E desta vez, com aquelas horas intermináveis me identifiquei em muito com a letra de Let Down, mais especificamente com os seguintes versos:

Transport, motorways and tramlines
Starting and then stopping
Taking off and landing
The emptiest of feelings
(...)

A partir daquela situação, me apaixonei pelo disco. Rolou aquele sentimento indescritível de estar ouvindo algo realmente muito bom!

As vezes achamos que gostar de um disco é simplesmente colocar os fones no ouvido e deixar que as músicas mudem seu humor, que te levem para um estado de espírito mais animado. Mas existem discos onde se faz necessária uma identificação do ouvinte com aquela arte. Foi assim comigo: demorei para me identificar com a letras de Thom Yorke, com as guitarras de Jonny Greenwood, com a beleza instrumental dos xilofones, harpas e seus efeitos eletrônicos.

Vinte anos depois, OK Computer está entre os 20 melhores discos que já ouvi. Pode ser que ele ainda cause estranheza para quem não o conhece ou não parou para ouvi-lo mais atentamente (até porque gostos são gostos). E aqui talvez muitos achem forçação ficar enfatizando que este é um dos melhores discos da história da música. Se você quiser entender melhor os bastidores e a história deste disco recomendo assistir a este vídeo feito pela Rolling Stone.

Talvez seja clichê mesmo dizer que este clássico do Radiohead continua atual ainda hoje; sua temática e estética musical foram “consumidos” por artistas como Muse, Grizzly Bear entre outros tantos artistas. Porém, não me parece ser clichê as homenagens feitas por diversos artistas para este clássico. Podemos observar que quando um disco inteiro é realmente muito bom, é fácil encontrar diversas covers de todas as suas faixas porque sua influência é grandiosa. Então, eis aqui uma seleção contendo ótimas covers para as 12 faixas de OK Computer:

01 – Airbag – Motta e Appino [2017]
Esta versão que mescla guitarra acústica, com batidas eletrônicas e efeitos de guitarra foi muito elaborada feita pela dupla Andrea Appino e Francesco Motta. Lançamento recente do álbum italiano KO Computer que faz um tributo ao clássico do Radiohead.


02 – Paranoid Android – Sia [2006]
A cantora, compositora e produtora australiana Sia fez uma bela releitura sombria e minimalista de Paranoid Android apenas o uso de violinos, piano e voz.


03 – Subterranean Homesick Blues – Kate Walsh [2010]
Do disco Peppermint Radio gravado pela cantora Kate Walsh veio esta versão emocionante feita ao piano e violoncelo acompanhado da delicada voz de Kate.


04 – Exit Music (For A Film) – Vampire Weekend [2007]
Em comemoração aos 10 anos de lançamento de OK Computer, o site americano Stereogum reuniu um time de respeito para reler as 12 faixas do clássico da banda Oxford. Entre as pérolas geradas encontramos esta cover de Exit Music (For A Film) feita pelo Vampire Weekend bem com sua cara: uma camada sonora de flauta eletrônica e outra de batidas eletrônicas bem arranjadas sem soar repetitivo ou enjoativo. E neste caso, muito bem arranjadas respeitando os andamentos de originais da música original.


05 – Let Down – Scott Weiland [2011]
Segundo divulgado na época, em 2011 Scott Weiland, ex-vocal do Stone Temple Pilots e Velvel Revolver, disponibilizou apenas no formato digital um álbum contendo inúmeras covers de artistas que o influenciou. Estas as covers, encontramos uma versão karaokê de Let Down. Sem tirar e nem pôr, o som é o mesmo, os arranjos, as guitarras, bateria, efeitos especiais é tudo igual. Só mesmo o vocal é de Scot Weiland fazendo muito bem o papel de Thom Yorke.


06 – Karma Police – K-os [2011]
K-os pertence a nova cena efervescente de hip-hop e rap da cidade de Toronto – que revelou também o rapper Drake. Esta cover praticamente acústica, com o cajon dando o tom das batidas do gueto se encaixou perfeitamente bem na canção Karma Police.


07 – Fitter Happier – Vitamin String Quartet [2001]
Som metalizado de um Macintosh declarando as frases ajuntadas por Thom Yorke com um piano instrumental ao fundo. Algo bem maluco mas que é um indicativo de como a vida se tornou artificial. Menos artificial e mais bonita é esta releitura feita pelo grupo Vitamin String Quartet em 2001 gravado para a compilação Strung Out on OK Computer: The String Quartet Tribute to Radiohead.


08 – Electioneering – Easy Star All-Stars featuring Morgan Heritage [2006]
Excelente versão reggae dub feito grupo rotativo de artistas jamaicano Easy Star All-Stars em parceria com a banda americana de reggae Morgan Heritage. Certamente esta é uma das melhores releituras do álbum Radiodread feito pelo Easy Star All-Stars em tributo ao Radiohead.


09 – Climbing Up The Walls – Navvi [2015]
Esta canção de certa forma caótica, obscura, assustadora foi transformada em um pop instrumental eletrônico belezura pelo Navvi, duo formado por Brad Boettger e a vocalista Kristin Henry. Das covers que selecionamos aqui, esta é a que mais gostei pela combinação perfeita de batidas, efeitos especiais e a voz doce de Kristin. Nota 1000!


10 – No Suprises – Amanda Palmer [2010]
Cover bem feita, no estilo folk, só com as presenças de ukelele, piano e a ótima voz da cantora norte-americana Amanda Palmer.


11 – Lucky – Warren Haynes [2004]
Violão e voz apenas para extrair uma emoção genuína nesta releitura ao vivo de Lucky feita em 2004 no festival Bonnaroo por Warren Haynes, guitarrista de longa data do legendário The Allman Brothers.


12 – The Tourist – Sarah Jarosz feat. Chris Thile [2011]
A linda voz da cantora norte americana Sarah Jarosz e seu bandolim se somou ao backing vocal do também bandolinista Chris Thile do Punch Brothers para entregar essa linda cover de clima folk com lindo arranjo de banjo e violino. De arrebatar e aquecer os corações mais gélidos.  


Penso que são felizes são os artistas que conseguem se expressar livremente e proporcionar emoção as pessoas. Certamente o Radiohead está neste rol de artistas que possuem esta liberdade. Que continuem a surpreender e emocionar muitas pessoas por mais 30 anos.

Persiolino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui!!!