0458 - Love Missile F1-11 - David Bowie [2003]

Nenhum comentário
Penteados, maquiagens e figurinos de gosto duvidoso; músicas com timbres eletrônicos, sotaque britânico e um hit na trilha sonora de Curtindo a Vida Adoidado. Quem gosta de Sigue Sigue Sputnik certamente deve ter adivinhado se tratar da banda new wave, que pode ter sido esquecida por muitos, mas as baladas pós-punk e anos 1980 estão sempre aí para lembrar que eles existiram.

Sem apelar para o purismo musical, o grupo formado em 1982 na capital inglesa trouxe ao mundo canções divertidas e dançantes, talvez até como uma forma de distração durante a chamada "década perdida". Na terra da banda, por exemplo, a primeira-ministra Margaret Thatcher governou o país e seus territórios com mão de ferro nos anos 1980, com uma política neoliberal. Neste contexto, grupos e artistas como Sigue Sigue Sputnik podiam ser vistos como uma espécie de alento e até uma forma de chocar as famílias mais conservadoras com seu visual cyberpunk.

Love Missile F1-11 foi o primeiro single dos londrinos e está no álbum de estreia Flaunt It. A música, como é de se imaginar, teve boa repercussão, principalmente por causa de Curtindo a Vida Adoidado, alcançando o Top 3 das paradas do Reino Unido, Espanha, África do Sul, Alemanha e Irlanda. Já o álbum não vendeu tão bem, apesar de conter também a famosa 21st Century Boy


Se o Sigue Sigue Sputnik precisa de uma introdução para familiarizar alguns leitores, David Bowie é um artista (em todos os sentidos da palavra) que dispensa apresentação. Mas é relevante fazer alguns paralelos entre ele e a banda: ambos têm origem em Londres e foram grandes nomes do pop nos 1980s (guardadas as devidas proporções). Foi nessa década que Bowie se estabeleceu como um new romantic e trouxe ao mundo clássicos pop como Let's Dance, Modern Love, China Girl e Blue Jean.

A cover de Love Missile F1-11 só viria a ser gravada por ele nos anos 2000, mais precisamente em 2003, no lado B do single New Killer Star, em um período que ficou conhecido como "Bowie Neoclássico" (1999-2012). A versão se mantém fiel ao estilo acelerado, mas com baixo, bateria e riffs de guitarra mais acentuados. Enfim, musicalmente é uma releitura perfeita e superior ao sucesso da banda new wave, com muito mais nuances e menos ruídos. E como não poderia deixar de mencionar, a interpretação nada afetada de Bowie eleva a música a um patamar mais alto do que a despretensão da original.

Nenhum comentário :

Postar um comentário