0476 - I Don't Want To Talk About It - Rod Stewart [1975]

Nenhum comentário
Outro dia li uma matéria de uma publicação conceituada que dizia que a “sofrência” está na moda. Pensei aqui com meus botões que a tal da “sofrência” (que aliás é um neologismo que congrega as palavras sofrimento e carência) nunca saiu de moda. Ao que consta na história do mundo, desde que homens e mulheres se apaixonaram e tiverem revezes em suas relações, suas mágoas amorosas servem de inspiração para expressões artísticas das mais variadas formas. E com certeza, como quem canta seus males espanta, haja gogó e folego para cantar tantas desilusões que se tornam sucessos em qualquer estilo musical.

Nestas agruras amorosas, me parece que quanto maior o sofrimento do compositor, mais bonita é canção que ele compõe. Como é o caso de I Don’t Want To Talk About It de autoria de Danny Whitten, guitarrista e vocalista da banda Crazy Horse

Conhecida por ser durante muito tempo como a banda de apoio de Neil Young, o Crazy Horse teve em sua discografia discos de autoria da própria banda sem o envolvimento da parceira com Neil Young. O primeiro deles foi o álbum de 1971, o homônimo Crazy Horse, lançado pela gravadora Reprise que teve a maioria das composições feitas por Danny Whitten. Ele compôs a belíssima I Don’t Want To Talk About It quando lutava contra seu vício em heroína. A canção que fala sobre um homem que, com seu coração partido, não quer falar sobre sua dor pedindo apenas para que seu amor simplesmente ouça seu coração, é com certeza o grande destaque deste álbum.

No livro 1000 UK # 1 Hits de Jon Kutner e Spencer Leigh, o também guitarrista Nils Lofgren, companheiro de banda de Danny no Crazy Horse, relembrou como foi feita a gravação da canção em 1971: 

"Danny era um homem muito emotivo e um homem bom, e foi ele quem me levou para o Crazy Horse. Eu amei a música dele, I Don't Want To Talk About It, e acho que é uma das maiores baladas de todos os tempos. Tem uma letra muito triste e eu adicionei duas linhas na música porque Danny estava muito doente quando a gravou. Ele ainda podia cantar e tocar, mas não se incomodou com mais nada. Nós dizíamos: “Danny, precisamos fazer essa música, ela é uma ótima música” e ele dizia: “Precisamos de um segundo verso” e isso se estendeu por meses. Ele nunca conseguia se reunir com a banda. Porém um dia estávamos todos no estúdio e discutimos, e ele disse: “OK, bem, um de vocês escreve.” Eu saí do estúdio e escrevi algumas linhas rapidamente e disse: “O que achou?” E ele disse: “Tudo bem, vamos lá.” Danny e eu nos sentamos um ao lado do outro com violões e Ry Cooder estava tocando guitarra slide em colo e tudo saiu lindamente.”


Meses depois da gravação, em Novembro de 1972, Danny Whitten veio infelizmente a falecer de overdose. Curiosamente, Whitten nunca chegou a tocar sua canção com a banda Crazy Horse. Seus problemas com vício em drogas logo fizeram com que ele saísse da banda. E o Crazy Horse nunca obteve um grande sucesso com I Don't Want To Talk About It.

O sucesso da “sofrência” só aconteceu alguns anos depois com Rod Stewart. Em 1975, o cantor britânico gravou o disco Atlantic Crossing que tinha estourado nas rádios com vários sucessos, entre eles Sailing e This Old Heart Of Mine. Até então, a música I Don't Want To Talk About It que faz parte do mesmo disco, estava meio adormecida, sem tanta repercussão por parte do público e da mídia na época.

No entanto, nos shows de Natal que Stewart realizou em Londres naquele ano de 1975, ele ficou surpreso quando seus fãs começaram a cantar o refrão I Don't Want To Talk About It junto com ele. Por causa do sucesso observado nos shows, a gravadora de Stewart decidiu lançá-la como single. Como muitos de seus fãs já tinham comprado Atlantic Crossing, estratégia da gravadora foi pegar a música The First Cut Is The Deepest (que aliás é uma cover da canção originalmente lançada por Cat Stevens), que seria lançada no próximo disco Night On The Town de 1976, e incluí-la no lado B do single. O resultado foi um sucesso avassalador de I Don't Want To Talk About It, que logo alcançou o primeiro lugar das paradas musicais do Reino Unido em 1976, ficando nesta posição por 4 semanas consecutivas.


Depois do sucesso alcançando por Rod Stewart, muitos outros artistas vieram a gravar as agruras de Danny Whitten, com destaque para gravação da cantora Rita Coolidge de 1977, que foi uma das primeiras vozes femininas a interpretar esta canção, como também a cover lançada pelo duo Everything But The Girl, com a Tracy Thorn cantando lindamente a canção em 1988 e alçando o terceiro lugar das paradas do Reino Unido naquele ano.

Contudo, a versão de Rod Stewart é praticamente definitiva. Até hoje muitas pessoas acham que esta é uma canção dele e não sabem do seu real autor. Sempre que me lembro de I Don’t Want To Talk About me lembro da apresentação de Rod ao lado da cantora escocesa Amy Belle. Eis aqui esta belíssima apresentação:


Concluindo, penso o quão sofrido deve ter sido para Danny Whitten, que escreveu esta belíssima canção, não pode nem tocá-la com sua banda e não pode ver o grande sucesso que ela alcançou. Que sucesso sofrido.

Fontes:

KUTNER, John e LEIGH, Spencer. 1,000 UK Number One Hits - Ominibus Press. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=BwwLBaH9488C&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false - acessado em 26 de Abril de 2020.

Nenhum comentário :

Postar um comentário